Segunda-feira
18 de Novembro de 2019 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
28ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
29ºC
Min
18ºC
Pancadas de Chuva a

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
29ºC
Min
19ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
30ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Controle de Processos

24/06/2019 - 16h21Juiz autoriza operação contra exploração sexual de adolescenteAção desencadeada após dois meses de investigações prende 12 abusadores

O juiz Thales Flores Taipina, da Comarca de Nanuque, decretou a prisão preventiva de 13 pessoas e expediu 15 mandados de busca e apreensão. A ação pôs fim a três anos de exploração sexual de uma adolescente de apenas 12 anos, naquela cidade. As medidas possibilitaram o desencadeamento da Operação Pravus, que libertou a menina da exploração da própria mãe.  A mãe levava a filha até os abusadores sob ameaça de morte De acordo com o inquérito, para identificar todos os envolvidos, foram necessários dois meses de investigação sob a coordenação do delegado Luiz Bernardo Rodrigues de Moraes Neto. Os primeiros indícios da exploração surgiram a partir de denúncia do Conselho Tutelar da cidade, que foi encaminhada à polícia. A adolescente estava vivendo no Distrito de Vila Gabriel Passo com um rapaz de 27 anos, que fornecia drogas à mãe da garota F.V.S. Durante três anos, ela oferecia os favores sexuais da filha em troca de pagamentos que variavam de R$ 20 a R$ 200, ou mesmo em troca do fornecimento de drogas apenas. A própria mãe levava a filha à casa dos abusadores, sob ameaça de morte. A menina registrou, de próprio punho, todas as agressões sofridas no período e as suas angústias. As prisões foram decretadas no último dia 10, e a Operação Pravus desencadeada no tarde da última quarta-feira. Risco à paz social Em seu despacho, o juiz Thales Flores afirmou que “a liberdade dos investigados representa evidente risco à ordem pública e à paz social”. E prosseguiu: “Cuida-se de convicção que decorre da clara indiferença de todos para com o sistema de Justiça, determinada pela realização e reiteração das condutas delitivas mesmo diante da notoriedade do caso na comunidade local, o que evidencia, por sua vez, a probabilidade de ulteriores e semelhantes condutas contra vítimas diferentes, fomentada em caso de eventual silêncio do Estado”. O nome da operação policial, Pravus, deriva do latim e significa "agir injustamente e com maldade". Participaram da operação 45 policiais civis e 16 viaturas da Delegacia Regional de Teófilo Otoni. No total, 12 abusadores foram identificados e presos, além da mãe e de uma pessoa presa em flagrante por tráfico de drogas.  
24/06/2019 (00:00)
Visitas no site:  4863292
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia