Segunda-feira
18 de Dezembro de 2017 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Controle de Processos

Nupemec inicia Projeto Escolas no Fórum com alunos de Socorro

O Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec) e os Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscs) de Aracaju e do Fórum Desembargador Pedro Barreto, no Marcos Freire II, iniciaram na manhã de ontem, 06/12, o Projeto Escolas no Fórum. A iniciativa tem como objetivo disseminar a cultura dos métodos consensuais de conflitos para estudantes de Nossa Senhora do Socorro. Cerca de 40 alunos do Colégio Coronel Gentil Daltro, localizado no Guajará, participaram do projeto. Segundo a Supervisora de Cidadania do Cejusc, a assistente social Heloísa Joana dos Santos, o objetivo do projeto é estimular também a cultura do uso dos métodos consensuais nas comunidades, iniciando este trabalho com os jovens, agentes multiplicadores de informações. “É importante apresentarmos para esses estudantes métodos de resolução de conflitos que facilitem o diálogo e a manutenção das relações interpessoais não violentas”, explicou Heloísa. A responsável pelo Cejusc do Fórum localizado no Marcos Freire II, Sílvia Simone Guimarães, ressaltou a importância de manter o público jovem bem informado. Segundo ela, levar conhecimento aos estudantes sobre o trabalho do TJSE na mediação de conflitos, incentiva-os a aprender como solucioná-los através dos meios existentes dentro da Justiça e que promovem a paz. Os alunos visitaram as salas de audiências, salas de juízes e os cartórios, bem como os locais destinados à Defensoria Pública e à Promotoria de Justiça. Também foram realizadas oficinas com o objetivo proposto, através de slides e vídeos temáticos O estudante do 1º ano, Marcos Gabriel Silva dos Anjos, de 15 anos, disse que nunca entrou em um fórum e não sabia quais serviços são ofertados no local. Segundo ele, a partir de agora, já sabe como encaminhar alguém que precise de ajuda e que no futuro, se precisar também, já sabe o que fazer. “É importante termos conhecimento desse serviço”, salientou. Monique Evellyn dos Santos, 15 anos e estudante do 9º ano, disse já ter vivenciado através dos pais uma audiência, mas ficou entusiasmada com o que aprendeu durante a visita. “Buscar soluções na Justiça ainda é o melhor caminho”, pontuou. Estiveram presentes na oficina Gicele Mara, Promotora de Justiça, e o Juiz Daniel Leite, que falaram sobre seus respectivos trabalhos. Nesta quinta-feira, o Fórum Desembargador Pedro Barreto receberá a visitação de estudantes do Colégio Major João Teles, localizado na Palestina, seguindo a mesma programação.
06/12/2017 (00:00)
Visitas no site:  1188481
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia