Segunda-feira
26 de Outubro de 2020 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
26ºC
Min
21ºC
Chuva

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
28ºC
Min
22ºC
Pancadas de Chuva a

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
29ºC
Min
23ºC
Chuvas Isoladas

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
26ºC
Min
22ºC
Chuva

Controle de Processos

TJCE inicia no Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência uma série de reportagens para valorizar os colaboradores da Justiça

Por Guto Castro Neto Jornalista Para reconhecer o trabalho dos colaboradores da Justiça que têm algum tipo de limitação, e sensível à luta das pessoas com deficiência, comemorada nacionalmente em 21 de setembro, a Assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) inicia hoje a série de reportagens “Judiciário Inclusivo: Nós também fazemos Justiça”. Na primeira, você vai conhecer o trabalho de profissionais surdos lotados no Fórum Clóvis Beviláqua e no Tribunal Há 23 anos, uma parceria entre o Poder Judiciário cearense e Associação de Pais e Amigos do Deficiente Auditivo (Apada) vem proporcionando oportunidades para dezenas de surdos e intérpretes da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Bom para eles, porque desenvolvem suas competências, e bom para a Justiça porque conta com profissionais capacitados. A higienizadora Raimunda Custódio Soares é uma das beneficiadas e desenvolve seu trabalho no Arquivo do Fórum Clóvis Beviláqua (FCB) há 21 anos. Em conversa mediada pela intérprete Mirella Cacau Ferreira, ela fala do significado de ter a chance de desenvolver sua atividade: “É muito importante porque nós precisamos trabalhar, e o Tribunal nos dá essa oportunidade. Tanto aos surdos quanto aos intérpretes. O trabalho é importante para o meu sustento e o sustento da minha família. Eu gosto de ter essa responsabilidade”. Assista ao vídeo: https://www.tjce.jus.br/wp-content/uploads/2020/09/raimunda-custodio.mp4   Atualmente, o projeto beneficia 60 profissionais. São 53 pessoas com deficiência auditiva desenvolvendo funções de higienização, digitalização e serviços de arquivo no 1º e no 2º Grau, lotados no Fórum da Capital e na sede do TJCE, no Bairro Cambeba. A parceria com a Apada também dá oportunidade para sete intérpretes. A digitalizadora Lídia Cristina Azevedo Silva considera a inclusão incentivada pela Justiça estadual como uma forma de promover igualdade. “É importante essa inclusão, pois é uma oportunidade aos surdos de trabalharem igualmente aos ouvintes. Estou há oito anos no setor de Digitalização do TJCE, gosto da minha atividade pela interação com as pessoas e me sinto bem no meu ambiente de trabalho”. Assista ao vídeo: https://www.tjce.jus.br/wp-content/uploads/2020/09/lidia.mp4   UMA IDEIA QUE VEIO PARA FICAR Idealizadora da parceria entre o TJCE e a Apada, a juíza Maria Cleire Bomfim Almeida, atualmente aposentada, celebra a longevidade do projeto em sucessivas gestões do Judiciário. “O próprio tempo mostra a importância desse trabalho. Se os profissionais não mostrassem sua eficiência e se não ficasse clara a necessidade dessa atividade, o projeto não existiria mais. Fico muito feliz que tenham continuado. A continuidade desse trabalho é o mais importante”. A magistrada lembra como surgiu a ideia da parceria. “Eu frequentava a Apada e percebia uma falta de perspectiva naqueles jovens. Fiz uma visita à Biblioteca Pública e vi os surdos fazendo a higienização do acervo. De imediato propus ao Tribunal de Justiça fazer um projeto semelhante e, à época, a ideia foi bem aceita pela desembargadora Águeda Passos e pelo presidente, desembargador José Maria Melo”. AÇÕES INCLUSIVAS A atual gestão do Judiciário cearense segue firme no propósito da inclusão das pessoas com deficiência e vira referência no País. A intérprete de Libras Nara Gonçalves comenta que foi procurada pelo Tribunal de Justiça do Mato Grosso para comentar sobre a parceria do TJCE com a Apada. “O projeto desperta interesse em outros estados. Isso é muito positivo”. Lembra também que o Tribunal realizou, no ano passado e neste ano, cursos de Libras com os integrantes da Assistência Militar para melhor recepcionar o público. Houve ainda profissionais surdos participando das turmas do Curso de Brigada de Incêndio. Nara Gonçalves diz que sentiu orgulho ao ouvir o presidente do TJCE, desembargador Washington Araújo, homenagear os profissionais no Dia Nacional do Surdo, em evento do ano passado. “O presidente tem ideias inclusivas e conhece o assunto. Ele conhece a história sobre a data, 26 de setembro, quando foi fundado o Instituto Nacional de Educação de Surdos, em 1857”, destaca. COMO SURGIU A DATA Inspirados na estação do ano que remete à renovação e à dinâmica do recomeço da vida, os movimentos brasileiros das Pessoas com Deficiência (PcDs) elegeram como data comemorativa ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência o dia 21 de setembro, marcado como o início da Primavera, propondo a todos uma reflexão sobre a garra, o esforço, as derrotas e vitórias daqueles que buscam incessantemente a inclusão social e a acessibilidade.
21/09/2020 (00:00)
Visitas no site:  8954526
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia