Domingo
08 de Dezembro de 2019 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
28ºC
Min
22ºC
Pancadas de Chuva a

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
30ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Controle de Processos

20/11/2019 - 18h59Justiça de BH suspende descontos abusivosFinanceira abateu valores devido a empréstimo feitos por aposentado

Juiz autor de liminar considerou que idoso está em situação de insolvência financeira A Justiça mineira determinou que a Crefisa não promova descontos superiores a 30% do rendimento de um aposentado. A decisão liminar foi do juiz titular da 16ª Vara Cível de Belo Horizonte, Paulo Rogério de Souza Abrantes, em 18/11. De acordo com os autos, o aposentado contratou um empréstimo com a financeira. O contrato estabelecia que os descontos não poderiam superar 30%. Esse índice é o teto máximo previsto em lei, uma vez que o idoso recebe em torno de R$ 1 mil. Entretanto, posteriormente o aposentado precisou contratar novos empréstimos, o que fez com que o valor descontado ultrapassasse os 30% de seus rendimentos. Após a segunda solicitação, o consumidor estava recebendo apenas R$ 290, o que, de acordo com a defesa, não era suficiente para que ele pudesse se sustentar. O cliente argumentou que a empresa estava cobrando dele valores indevidos e apresentou extratos bancários provando os descontos. Insolvência De acordo com o juiz Paulo Rogério Abrantes, há indícios de que as cobranças têm cunho indevido, pois, além de os abatimentos estarem acima do valor máximo que pode ser cobrado dos aposentados, o que sobrava do benefício era insuficiente para que o homem se mantivesse. “Contudo, percebe-se pela situação descrita nos autos e pelos extratos bancários juntados que a situação do autor beira a insolvência e leva inclusive à conclusão de que não poderá se sustentar com os valores que vem percebendo”, ponderou o juiz, considerando como fundamentos da decisão o princípio da dignidade humana e da própria sobrevivência do inpíduo. Para o juiz, o empréstimo está fora da modalidade "consignado", de forma que a empresa deve descontar até 30% de R$ 1.000,71. Caso assim entenda, a Crefisa poderá realizar um refinanciamento para o autor, “com dilatação dos prazos para pagamento das prestações, mantendo-se as mesmas taxas contratadas ou até diminuindo-as, de forma a comportar o percentual aqui fixado e preservando-se a sua dignidade.” Uma audiência para a mudança no contrato de empréstimo e o acerto entre as partes está marcada para 3 de dezembro, no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Belo Horizonte (Cejusc). Confira o andamento do processo 5179740-54.2019.8.13.0024 pelo sistema PJe.  
20/11/2019 (00:00)
Visitas no site:  5128570
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia