Domingo
03 de Julho de 2022 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
25ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
24ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
25ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
25ºC
Min
19ºC
Predomínio de

Controle de Processos

25/05/2022 - 17h57UAI-Lab promove live sobre inovaçãoEvento tratou do estímulo à criatividade e apresentou nova marca do laboratório

Em formato dinâmico e iformal, primeira live do UAI-Lab falou sobre a inovação no Judiciário (Crédito : Cecília Pederzoli/TJMG) Com o tema “A importância da inovação no Judiciário”, a Unidade Avançada de Inovação em Laboratório (UAI-Lab) do Tribunal de Justiça de Minas Gerais realizou sua primeira live, nesta quarta-feira (25/5). O convidado para debater com o juiz auxiliar da 1ª Vice-Presidência e coordenador do UAI-Lab, Rodrigo Martins Faria, foi o servidor público federal da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), professor universitário e cofundador da Rede Conexão Inovação Pública RJ, Rodrigo Mota Narcizo. Na ocasião, também foi lançada a logomarca do UAI-Lab, criada pela designer Shirley Oliveira de Moraes Sousa, da equipe da Coordenação de Publicidade, e sorteados livros para os internautas. Também participaram da atividade o diretor de Governança e Gestão Estratégica (Segove), Guilherme Augusto Mendes do Valle, e a gerente do Centro de Desenvolvimento e Acompanhamento de Projetos, Priscila Pereira de Souza. O evento é uma realização conjunta do laboratório de inovação, que integra a Segove, e da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef). O UAI-Lab tem como objetivo estimular a cultura de inovação, atuando de forma colaborativa, criativa, empática e multidisciplinar para contribuir para a solução de problemas e a evolução do Poder Judiciário estadual mineiro. O juiz Rodrigo Martins Faria destacou que o UAI-Lab surgiu de uma pesquisa que apontou como a principal necessidade do TJMG a inovação, que também faz parte do mapa estratégico da instituição. O magistrado salientou que o laboratório pretende ser um impulsionador de boas práticas e ideias transformadoras, e estimulou os participantes a interagir com o UAI-Lab e a trazer propostas. O juiz Rodrigo Martins Faria explicou que a necessidade de inovação no TJMG foi apontada pelos públicos internos e externo (Crédito: Cecília Pederzoli) Para o diretor da Segove, Guilherme do Valle, na atuação do laboratório de inovação é importante focar nos múltiplos aspectos do produto principal do TJMG, que é a prestação jurisdicional eficaz, célere e de qualidade. Foco no usuário O professor Rodrigo Narcizo declarou que apesar de existirem vários conceitos, para ele, o elemento definidor de inovação é a obtenção de resultados. “Toda inovação é uma criação, mas nem toda criação é inovação. Criar algo novo que não traz resultado é invenção, mas a inovação precisa responder a um problema, ela tem que ser útil. As ferramentas de inovação são aquelas que resolvem uma situação que os meios tradicionais não conseguem enfrentar. Por isso, a tecnologia não é indispensável na inovação. Ela é um meio, mas é preciso entender bem e em profundidade o cenário que se deseja modificar, o gargalo ou o impasse que precisa ser eliminado ou minimizado”, disse. O servidor da Anac defende que o setor público é o terreno mais fértil para a inovação, sobretudo quando a lógica assumida pela instituição é de se preocupar com o público-alvo, pensar na pessoa atendida, em suas necessidades, de forma imediata. O raciocínio pode parecer surpreendente, mas a explicação é cristalina. “No setor público deparamos o tempo todo com uma enorme persidade de questões, geralmente de alta complexidade. Isso fomenta a inovação, porque estimula a criatividade, um dos fundamentos dessa mudança de cultura. Contudo, é fundamental que as lideranças patrocinem a reflexão e a discussão dos problemas. Sem a participação das equipes, não é possível produzir inovação”, argumenta. Além disso, o setor público permite o compartilhamento de saberes e a troca de experiências entre os diferentes órgãos e realidades, permitindo que eles inovem juntos. A gerente Priscila de Souza sorteou os livros e leu perguntas dos internautas (Crédito: Cecília Pederzoli/TJMG) Acesso à justiça Outro fator importante salientado por Narcizo, no processo, é a valorização não apenas dos inpíduos, para que eles se sintam motivados e encorajados a experimentar e criar, mas de pequenos passos que possam aprimorar os serviços. “Não se tratar de jogar fora tudo o que existe, mas de entender os ‘pontos de dor’, os pequenos problemas que dificultam a vida do usuário”, frisa. Porém, esse trabalho não evoluirá sem que toda a organização se envolva na mudança, tratando a inovação como parte essencial do trabalho e prioridade. Segundo o professor Rodrigo Narcizo, o maior desafio na inovação no Judiciário é ampliar o acesso à justiça. Essa exigência precisa ser considerada não apenas do ponto de vista da possibilidade de ajuizar ações ou de ser atendido, mas até na emissão de decisões compreensíveis ao cidadão comum, claras, em linguagem simples e inclusiva, seja por meio de tecnologia, como é o caso da visual law, seja por outros recursos. Estudioso e promotor da inovação, Rodrigo Narcizo afirmou que a alta direção e as chefias precisam entender a inovação como prioridade (Crédito: Cecília Pederzoli/TJMG) Humanização  De acordo com o estudioso, a criatividade é uma prova da engenhosidade única do ser humano e um triunfo de nossa civilização, mas as experiências negativas podem inibir o desejo da pessoa de inovar. Assim, uma tarefa importante nas instituições é tornar o ambiente seguro e propício para que as equipes ousem pensar o novo, sem medo ou sem vergonha do fracasso. “O papel das lideranças é possibilitar, apoiar e dar visibilidade a esses esforços, fazer que os funcionários acreditem que eles podem fazer a diferença. A beleza da inovação é trazer as pessoas para o processo decisório, ouvi-las, trazer de volta o brilho nos olhos e o sorriso. E não podemos desistir, se às vezes não houve espaço num setor, é preciso tentar fazer a ideia circular, pois ela pode ser acolhida por outros”, afirma. A logomarca criada pela designer Shirley Sousa foi a escolhida para o UAI-Lab (Crédito: Copub/TJMG) Veja a live. Fale como Uai-Lab pelo e-mail uailab@tjmg.jus.br. Conheça mais sobre o laboratório aqui. Diretoria Executiva de Comunicação – Dircom Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG (31) 3306-3920 imprensa@tjmg.jus.br instagram.com/TJMGoficial/ facebook.com/TJMGoficial/ twitter.com/tjmgoficial flickr.com/tjmg_oficial  
25/05/2022 (00:00)
Visitas no site:  15903055
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia