Quarta-feira
01 de Fevereiro de 2023 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
32ºC
Min
26ºC
Chuva

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
29ºC
Min
26ºC
Chuva

Sexta-feira - Rio de Janeir...

Máx
28ºC
Min
25ºC
Chuva

Sábado - Rio de Janeiro, R...

Máx
29ºC
Min
25ºC
Chuva

Controle de Processos

Ativistas sociais recebem cidadania pernambucana

Por iniciativa do mandato coletivo Juntas (PSOL), a Alepe concedeu Títulos de Cidadã Pernambucana a cinco mulheres que integram movimentos sociais do Estado. “As homenageadas representam as lutas feminista, antirracista e antilgbtfóbica, e vêm mudando a história de Pernambuco”, diz a justificativa da proposição, apresentada pela deputada Jô Cavalcanti. A entrega ocorreu em Reunião Solene realizada nesta segunda (28). Carmen Silvia da Silva chegou a Pernambuco em 2000, depois de longa trajetória em movimentos sociais no Maranhão e em São Paulo. A convite da Escola de Formação Quilombo dos Palmares, trabalhou como educadora e, desde 2003, faz parte do SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia. Também atua no Fórum de Mulheres de Pernambuco há mais de 15 anos. Joyce Thamires dos Santos é natural de São Paulo e chegou ao Estado em 2015. Poetisa e escritora, ela atua pelos direitos da mulher negra, pelo segmento LGBTQI+, pelas pessoas de terreiro e por moradia. Integra os projetos Hub das Jovens Mulheres Negras e Juventude e Cidade. A pedagoga Joana Santos Pereira nasceu em São Luís (MA), onde iniciou a atuação política e social. Chegou ao Recife em 1987, tornando-se assessora sindical e educadora do Centro de Educação e Cultura dos Trabalhadores Rurais de Pernambuco. Anos depois, ingressou no Fórum de Mulheres de Pernambuco. Também presta assessoria de formação em coletivos com foco na juventude, na população negra e no segmento LGBTQI+. Inaldete Pinheiro de Andrade é natural de Parnamirim (RN). Em 1966 mudou-se para o Recife, onde cursou Enfermagem e fez mestrado em Serviço Social. Foi uma das fundadoras do movimento negro local. Pesquisadora e militante, tem se dedicado ao resgate da herança africana presente em nossa formação. Já escreveu mais de 10 livros, alguns deles para crianças e jovens. Nascida em 1972, Maria Daniela de Mendonça Motta nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e mudou-se para o Recife em 1991. Em 2005 fez a transição de gênero e passou a ser autoreconhecida como travesti e lésbica. Atua em entidades do movimento trans, sendo co-fundadora da Rede Autônoma de Travestis e Transexuais de Pernambuco (RATTs-PE).
29/11/2022 (00:00)
Visitas no site:  18558977
© 2023 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia