Segunda-feira
16 de Setembro de 2019 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
30ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
31ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
30ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Controle de Processos

CPI da Enel em Uruaçu

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) realizou na noite desta segunda-feira, 19, no Plenário Antônio de Freitas Carvalho da Câmara Municipal de Uruaçu, a nona audiência pública itinerante da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da empresa distribuidora de energia elétrica Enel. O encontro foi presidido pelo deputado Cairo Salim (Pros), presidente em exercício e relator do colegiado, com participação do vice-presidente da Alego, deputado Rafael Gouveia (DC). Os dois parlamentares fizeram avaliação “extremamente” positiva do debate, que reuniu lideranças do município e da região. Compuseram a mesa dos trabalhos, presidida por Salim, o vereador Antônio de Sousa Reis Taroba (Pros), presidente da Câmara Municipal, que contribuiu na condução dos trabalhos; advogado da Enel, Lúcio Flávio; Jean Carlos, responsável pela regional da UOMT da Enel em Uruaçu, e Maria Amélia Batista, procuradora-geral da Câmara de Uruaçu. Participaram do evento vereadores, professores, servidores públicos, empresários, lideranças partidárias e sindicais, além de dezenas de populares. De forma geral e à semelhança das audiências realizadas em outros municípios do interior do Estado, os participantes manifestaram indignação com relação aos serviços prestados pela Enel. A reclamação maior foi com relação ao aumento das tarifas, às quedas de energia, aos cortes e negativação junto aos órgãos de proteção ao crédito. Também cobraram aumento dos investimentos no que tange à expansão da oferta de energia para atender demandas de produção da zona rural, implantação de novas indústrias e de novos setores habitacionais, dentre outras reivindicações.  Desde a sua instalação, em 28 de fevereiro, a CPI da Enel promoveu encontros itinerantes em Anápolis, Rio Verde, Aparecida de Goiânia, Catalão, Morrinhos, Caldas Novas, Itumbiara, Porangatu e, ontem, em Uruaçu. E já tem duas novas audiências marcadas: dia 26, em Quirinópolis; e no dia 27, em Jataí. As últimas oitivas antes da conclusão dos trabalhos da comissão já estão sendo realizadas. Há a expectativa de a Comissão ouvir o ex-governador Marconi Perillo (PSDB), de acordo com Rafael Gouveia e o próprio relator da CPI, Cairo Salim. Aliás, Cairo Salim disse que ganhou nova motivação após a série de denúncias recebidas da população de Uruaçu. “Com toda certeza, recebemos aqui um recorde de reclamações e denúncias, que serão acolhidas em nosso relatório final, o qual encaminharemos ao Ministério Público e ao Tribunal de Justiça para as devidas providências legais”, ressaltou o relator da CPI da Enel. Rafael Gouveia também manifestou o otimismo dele com o avanço dos trabalhos da Comissão. “Acredito que nosso objetivo de contribuir para a melhoria da qualidade do serviço de distribuição de energia elétrica em todo o Estado de Goiás já está sendo alcançado.”Cairo Salim abriu o debate, em Uruaçu, agradecendo a participação de todos que contribuíram para que o evento fosse realizado. Citou o vereador Rony Piettro (PMB), um dos responsáveis pelos convites das lideranças locais, que lotaram as dependências da Câmara Municipal. Entre o público, estava a Miss Uruaçu 2019, Sílvia Cristina, que cumprimentou os deputados pela iniciativa de debater um tema tão recorrente, que é o fornecimento de energia elétrica. Atrapalhando o desenvolvimento do EstadoSalim lembrou novamente que a Enel é um conglomerado potente de empresas que atuam em 38 países e quatro Estados brasileiros, que tem tudo para contribuir com o desenvolvimento de Goiás, mas que, no momento, está é prejudicando a vinda de novas indústrias para o Estado e, assim, a geração de emprego e renda. “O sucesso dela em Goiás passa pelo investimento para oferecer energia barata e que não acaba”. Vereador Taroba discursou em seguida e falou da satisfação em receber na Câmara um evento de “tamanha importância e magnitude”. Parabenizou os deputados pelo trabalho realizado até aqui e se colocou à disposição da CPI. “Queremos contribuir da melhor forma possível para que venhamos a ter energia elétrica de qualidade não apenas em nossa cidade, mas em todo o Estado de Goiás”. Depois falou o vereador Rony, que agradeceu a presença de seus convidados e cumprimentou os parlamentares por esse trabalho de ouvir o povo, antes de fazer o relatório final da CPI.Rafael Gouveia disse que ficou "estarrecido" com a denúncia de que um assentamento de 150 famílias, em pleno século 21, vive sem energia elétrica. Ressaltou que essa união de forças dos parlamentares estaduais com os municipais é importante para levar a Enel a “melhorar seus serviços prestados a todos nós”. Informou que tem um projeto de lei em tramitação na Alego que vai tornar o atendimento presencial por parte da Enel em todo município com mais de 10 mil habitantes e pelo menos uma vez ao mês nos demais.Em seguida, a palavra foi franqueada aos vereadores e público em geral. A vereadora Maria Abadia Bia (PSDB) disse que seu talão de energia elétrica triplicou de preço. “Hoje, moro apenas com meu filho de 14 anos de idade e estou pagando 400 reais por mês”. Outros denunciaram que tem localidades que ficam até 15 dias em energia. Reclamaram que quando atrasam o pagamento do talão de luz, a Enel ameaça levar o consumidor aos órgãos de proteção de crédito, para bloquear o CPF dele. Houve denúncia de energia mínima, provocando perdas de produtos e equipamentos (máquinas de lavar, batedeira), bem como de setor, ao exemplo do Santa Helena, que há mais de dez anos reivindicam energia elétrica. A maioria concordou que, como está trabalhando, a Enel é inibidora ao desenvolvimento do Estado de Goiás. E houve quem denunciasse que a empresa obteve lucros nesses poucos meses de 1.300%.O representante do deputado Paulo Trabalho (PSL) também participou da reunião e disse que o parlamentar está fechado com a CPI da Enel. O suplente de deputado Azarias Machado, o Machadinho, produtor rural, disse que fez reclamação com protocolo e tudo o mais para resolver o problema de um poste torto e perigoso, em sua fazenda, mas que não foi atendido. Contudo, frisou que o seu talão de luz aumentou de 300 para 800 reais. Disse que alegavam mudança de gerência, organização da casa em Goiânia. “Também estive na OVG [Organização das Voluntárias de Goiás] com o governador Ronaldo Caiado (DEM) e presenciei ali a queda de energia, que caía e voltava a todo instante.”"Aumentaram os investimentos"Por último, o advogado Lúcio Flavio fez a defesa da Enel. Mas antes cumprimentou Cairo Salim pelo trabalho que realiza. “É um parlamentar que zela e vela pelo contraditório”, enfatizou. Flavio admitiu que nestes seis meses participando de reuniões da CPI da Enel conseguiu evoluir em seu trabalho, inclusive contribuindo para resolver problemas importantes enfrentados pela empresa. O advogado disse que a Enel está completando 30 meses de operação e já avançou na prestação de serviços em Goiás, mas que vai avançar muito mais ainda. Citou que a antiga Celg fazia investimentos de R$ 190 milhões por ano, ao passo que a Enel já chegou a R$ 750 milhões anualmente. Lucio Flavio afirmou que a empresa ainda tem um passivo muito grande para correr atrás: “São duas décadas nas costas de uma empresa que está há dois anos no Estado”. Ele disse que o Governo de Goiás não tem a mínima condição de reassumir a concessão de energia elétrica no Estado. O defensor da empresa afirmou que o preço cobrado pela Enel em Goiás está dentro da média nacional, mas disse que a tarifa poderá ser baixada, se o Governo oferecer contrapartida, haja vista que o imposto que cobra é caro demais. Disse que o lucro obtido foi resultado de uma apropriação do Imposto de Renda que tinha para receber. Orientou algumas pessoas a recorrer à Justiça. E indicou Jean Carlos, para resolver problemas pontuais em Uruaçu.Jean Carlos informou que estão sendo feitos investimentos em Uruaçu, substituição do transformador de força e investindo acima de R$ 5 milhões em obras de infraestrutura, compra de equipamentos para monitorar informações. E frisou que a Enel está fazendo atendimento presencial na base da empresa, em Uruaçu, bem como através dos canais de comunicação 0800, assim como pelos aplicativos de rede social Facebook e WhatsApp.
20/08/2019 (00:00)
Visitas no site:  4088253
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia