Sábado
20 de Julho de 2024 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
32ºC
Min
24ºC
Chuva

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
34ºC
Min
26ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
35ºC
Min
27ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
34ºC
Min
26ºC
Parcialmente Nublado

Controle de Processos

Direito em Cartaz: evento da UEG recebe o desembargador Luiz Cláudio Veiga Braga para debater sobre o filme “As duas faces de um crime”

Em sessão realizada nesta sexta-feira (26), de forma on-line, o evento Direito em Cartaz, vinculado ao curso de Direito da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Campus Sul, unidade Morrinhos, sob a direção da professora Marina Zava de Faria, teve como convidado o presidente da Comissão de Memória e Cultura do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Luiz Cláudio Veiga Braga. Com o intuito de agregar a ciência jurídica ao universo cinematográfico, o evento transmitiu o filme “As duas faces de um crime” e, posteriormente, teve a explanação do desembargador Luiz Cláudio Veiga Braga acerca dos desdobramentos jurídicos que a produção retrata. A sessão contou com mais de 60 participantes.O filme de ficção, de 1996, conta a história de um crime que chocou a opinião pública por conta de um menino de 19 anos, preso com roupas cobertas de sangue, suspeito de assassinar um arcebispo de Chicago com 78 facadas. No entanto, a trama do filme tem enfoque em um ex-promotor que se tornou um advogado bem-sucedido e que se propõe a defender o suspeito do crime sem cobrar honorários, por ser mais interessado nos holofotes da carreira e de ser coberto pela mídia, além de ter uma incrível necessidade de vencer.Luiz Cláudio Veiga Braga iniciou sua explanação afirmando sobre a importância desse modelo de projeto, pois, segundo ele, “quem só sabe Direito, na verdade não sabe Direito, pois o Direito é a universalização do conhecimento. E não se tornará um profissional perfeito, ou próximo disso, quem não tiver conhecimento de outras áreas”. Na oportunidade, o desembargador pontuou três particularidades interessantes do filme: o processo penal, o julgamento do júri e o resultado inesperado e fascinante do caso.Após o momento de comentários acerca do filme, os participantes tiveram espaço para tirarem suas dúvidas sobre as ferramentas importantes no processo de julgamento do júri, sobre as narrativas e princípios da atuação ética.Projeto de extensãoO evento faz parte do projeto de extensão do curso de Direito da UEG, “Sessão & Debate - Direito em Cartaz”, que tem o objetivo de levar à comunidade temas que estão presentes no cotidiano e que permitem debates sobre o direito e suas áreas afins.As sessões também são abertas ao público de outras áreas, pois as explanações trazem perspectivas das áreas de Relações Internacionais, História, Empreendedorismo, Psicologia e outros. Os debates sempre acontecem com convidados especiais.“É importante extrapolar o ambiente fora da sala de aula para permitir o acesso dos estudantes a outras profissões e novas visões”, afirma a diretora do projeto, professora Marina Zava de Faria. Segundo ela, é a primeira vez que um desembargador do TJGO participa  como convidado. “Portanto,  a participação dele é extremamente importante, especialmente para os acadêmicos do Direito que podem aproveitar a oportunidade e conhecer o desembargador”, afirmou.Árilla Oliveira, aluna da primeira turma de Direito da UEG, enfatiza que o projeto “não é apenas para discutir filmes ou Direito, mas também para discutir carreira”. A equipe do projeto é composta por discentes do curso de Direito do Campus Sul, unidade Morrinhos: Árilla Nascimento Oliveira, Kayllane Guimarães Silva, Laura Elisa Ribeiro Pelozo e Letícia Versiani Arantes Dantas.  (Texto: Sara Ribeiro, estagiária de jornalismo do Centro de Comunicação Social do TJGO)
26/05/2023 (00:00)
Visitas no site:  23221728
© 2024 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia