Terça-feira
07 de Julho de 2020 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
26ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
27ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
25ºC
Min
21ºC
Chuvas Isoladas

Sexta-feira - Rio de Janeir...

Máx
22ºC
Min
20ºC
Chuvas Isoladas

Controle de Processos

Edvaldo Magalhães comemora mudanças no decreto que regulamenta lei dos consignados

Compartilhe! Em pronunciamento na sessão on-line desta quarta-feira (3), o deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) falou a respeito do decreto que regulamenta a lei dos consignados que suspende a cobrança das parcelas dos empréstimos dos servidores públicos, por 90 dias. Segundo o comunista, o decreto atual é “suicida” e impede o cumprimento da lei.   “Como já havia falado, o decreto publicado pelo governo não ajuda os servidores a cessarem a suspensão como diz a lei. Um decreto aplaudido pelos bancos e financeiras, mas repudiado pelo conjunto de servidores. Ontem, durante todo o dia discutimos essa matéria com a Procuradoria Geral do Estado, com a mediação do presidente da Assembleia, deputado Nicolau Júnior, e chegamos a um texto que vai melhorar muito o decreto anteriormente publicado. Se eu não for novamente surpreendido, esse novo decreto será publicado no Diário Oficial de amanhã, 4”, disse. O parlamentar salientou que o prazo para o servidor dizer se adere à suspensão encerrava-se ontem (2), mas o novo decreto prevê que este prazo vai até o dia 10 deste mês. “Os novos prazos se estenderão, a cada mês, até o dia 10, o prazo do fechamento da folha”, frisou o oposicionista. O deputado disse que ficou acordado com a PGE e a equipe de governo, que os bancos e as financeiras têm que informar para o interessado quais os juros e as taxas que serão cobradas sobre as parcelas suspensas. “Sobre as parcelas e não sobre o conjunto do financiamento”, ressaltou. Edvaldo Magalhães frisou ainda que também foi retirado o artigo quinto do atual decreto. Por esse artigo a suspensão se daria caso o servidor tivesse margem. “E não é o que prevê a lei. A lei determina a suspensão independente de margem”, explicou. O deputado informou que a Seplag criará um canal direto, on-line, para que o servidor se manifeste dizendo se quer aderir ou não à suspensão da cobrança das parcelas dos consignados pelo tempo previsto na lei. Texto: Mircléia Magalhães Revisão: Suzame FreitasFoto: Raimundo AfonsoAgência Aleac
Fonte:
AL Acre
04/06/2020 (00:00)
Visitas no site:  7559631
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia