Sábado
27 de Novembro de 2021 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
30ºC
Min
25ºC
Chuvas Isoladas

Domingo - Rio de Janeiro, R...

Máx
26ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
30ºC
Min
25ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
29ºC
Min
24ºC
Nublado

Controle de Processos

EJUS e GMF promovem palestra sobre comunicação não violenta

Exposição foi ministrada por Cindy Carbonari.     A Escola Judicial dos Servidores (EJUS) e o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do Tribunal de Justiça de São Paulo (GMF) realizaram na terça-feira (19) a palestra Comunicação não violenta, com exposição da facilitadora de Comunicação Não Violenta (CNV) e diretora executiva da Associação Base Colaborativa, Cindy Carbonari, que coordena um projeto de aplicação da CNV no sistema prisional. Na abertura dos trabalhos, o desembargador Marcelo Coutinho Gordo, supervisor do GMF e coordenador do evento, que agradeceu a participação de todos, em especial da palestrante. Ele recordou que o GMF foi criado por iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), com a finalidade de implementar boas práticas na execução criminal, e ressaltou que o evento, direcionado aos servidores do TJSP e da Secretaria de Administração Penitenciária, é o primeiro promovido pelo GMF para um público não restrito a magistrados. Cindy Carbonari definiu a CNV como as habilidades de linguagem e comunicação que não dizem respeito apenas à linguagem tradicional, mas à maneira como as pessoas interagem, pois a comunicação é realizada em persos formatos. “A comunicação não violenta fortalece a capacidade de nos conectarmos com nossa humanidade, com aquilo que vai além dos nossos papéis, funções e diferenças de poder”, ressaltou. Ela explicou que empatia não é se colocar no lugar do outro, porque cada pessoa tem a sua história, mas entender como cada um vivencia determinada situação e quais sentimentos experimenta. “Isso facilita a conexão entre os inpíduos, pois é o sentir que nos conecta, diminui a fresta da violência e traz a percepção de que somos interdependentes. Quando nos identificamos com o outro, os neurônios-espelho são ativados em nosso cérebro e isto ajuda a resgatar a capacidade natural de sermos compassivos. Assim é muito difícil que a violência encontre espaço”, enfatizou. A expositora discorreu sobre os quatro pilares da CNV: a observação, que separa os julgamentos dos fatos, os sentimentos, as necessidades e os pedidos. Ela recordou que as necessidades constituíam o principal pilar trabalhado pelo psicólogo norte-americano Marshall Bertram Rosenberg (1934 – 2015) quando utilizava a Justiça Restaurativa no sistema prisional. Ela mencionou também o estudo “Pirâmide de Maslow”, criado pelo psicólogo norte-americano Abraham H. Maslow (1908 - 1970), que preconizava que todos buscam viver em paz e destacava outras necessidades, como reconhecimento, segurança, companhia, respeito, amizade, família e autoestima. “Se conseguirmos encontrar um jeito de ter conversas a partir das necessidades, encontramos um lugar de restauração”, salientou Cindy Carbonari. A palestrante concluiu sua exposição com uma frase de Marshall Rosenberg: “se uso a comunicação não violenta para libertar as pessoas de depressão, para conviverem melhor com suas famílias, mas simultaneamente não lhes ensino como rapidamente transformar os sistemas sociais no mundo, então me torno parte do problema. Essencialmente as estarei pacificando, fazendo-lhes mais felizes em viver nos sistemas como atualmente são e assim utilizando a CNV como um narcótico".   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
21/10/2021 (00:00)
Visitas no site:  13330168
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia