Terça-feira
12 de Novembro de 2019 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
26ºC
Min
22ºC
Chuvas Isoladas

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
30ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
26ºC
Min
22ºC
Chuva

Sexta-feira - Rio de Janeir...

Máx
28ºC
Min
23ºC
Chuva

Controle de Processos

Esmar realiza, pela primeira vez, curso sobre Justiça e Saúde Mental

A discussão sobre o uso abusivo de drogas está constantemente em pauta na sociedade. Grave problema de saúde pública responsável por um grande número de ações e conflitos na Justiça. Diante disso, a Escola da Magistratura do Rio Grande do Norte promoveu, nessa segunda-feira (19), o curso “Justiça e Saúde Mental no âmbito do uso abusivo do álcool e outras drogas”, voltado para servidores, profissionais da saúde e da justiça que lidam com esse tipo de conflito. Segundo o formador, Carlos Henrique Cruz, esse panorama é importante e a Justiça está se voltando para essa problemática social. Ao tratar do consumo abusivo de substâncias psicoativas, desperta a reflexão no olhar que as pessoas têm sobre o usuário de drogas, a partir de uma perspectiva mais ampla, não só do ponto de vista do consumo abusivo em si, mas de toda problemática econômica, social e psicológica. “O que está em excesso na vida dessas pessoas? O que podemos entender como exc3essivo e não podemos dar conta dentro das subjetividades refletidas no panorama social onde as pessoas buscam descartar coisas e buscar cada vez mais a inpidualização?”, reflete Cruz. O docente questiona, ainda, o uso do nome “droga”, o qual está associado a um termo mais pejorativo e a ideia é evitar o olhar preconceituoso e usar o termo “substâncias psicoativas”, que são responsáveis por modificar o nosso sistema nervoso central. Ele explica que todos somos usuários de drogas no nosso dia a dia, “o cafezinho, o açúcar, o remédio pra dor de cabeça e tantos outros que utilizamos, mas ninguém se preocupa com isso, pois se voltam apenas para as drogas ilícitas ou com outras substâncias proibidas, mas convive pacificamente com o álcool que provoca danos gravíssimos”, completa. Para a coordenadora administrativa do Núcleo de Orientação aos Dependentes (Noade), Lucineide Nascimento, é de suma importância pensar no tema drogadição na esfera da Justiça e fala da satisfação em participar e capacitar pessoas em um curso que agrega os assuntos de justiça e saúde mental, pela primeira vez em 20 anos de trabalho nessa área, “a sociedade está acostumada a pensar em justiça como algo relacionado à punição e no que a Lei impõe ao usuário de drogas. É preciso pensar pelo lado da saúde mental, a justiça precisa ter um novo olhar, do ponto de vista da doença, do sofrimento psicológico e psíquico deste usuário. Ver além do delito e refletir sobre quais circunstâncias levaram essa pessoa a seguir esse caminho” conclui.  
20/08/2019 (00:00)
Visitas no site:  4796684
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia