Segunda-feira
24 de Fevereiro de 2020 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
30ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
33ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
34ºC
Min
25ºC
Chuva

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
29ºC
Min
23ºC
Chuva

Controle de Processos

Ex-prefeita e diretora de Educação de Holambra têm condenações por improbidade administrativa confirmadas

Rés não tiveram zelo com verba da educação.         A 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação por improbidade administrativa de ex-prefeita e ex-diretora de Educação de Holambra que adquiriram 77 mapotecas (móveis com finalidade de guardar mapas) com verba do Fundeb, sem necessidade. A decisão aumentou a sanção para suspensão dos direitos políticos por cinco anos; pagamento de multa civil equivalente a uma vez o valor do dano a ser apurado; e  proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.         Consta nos autos que a ex-diretora solicitou e a ex-prefeita autorizou a compra das 77 mapotecas, sendo que o município conta com apenas 12 unidades escolares e nenhuma havia solicitado tal mobiliário. Cada móvel custou cerca de R$ 4 mil, perfazendo total de R$ 314 mil. Foi apurado que 55 são utilizados para armazenamento de itens persos (não mapas) e outros 12 restaram sem uso, sujeitas a deterioração, resultando em desperdício do dinheiro público.         A relatora do recurso, desembargadora Vera Angrisani, reformou a sentença quanto ao valor a ser ressarcido pelas rés. “O valor do dano causado aos cofres públicos é o equivalente à diferença entre o quanto foi gasto na compra das ‘mapotecas’ e aquele que seria necessário para a aquisição à época de armários simples, de mesma capacidade, com as devidas atualizações e juros, tudo a ser apurado em sede de liquidação de sentença”, escreveu a magistrada.         “Por óbvio, tivessem as corrés um mínimo de zelo pelo erário teriam adquirido móveis muito mais baratos e que se prestariam ao fim de armazenamento de materiais comuns, canalizando a diferença para o atendimento de outras deficiências do setor”, destacou a relatora.         Os desembargadores Claudio Augusto Pedrassi e Carlos Von Adamek completaram a turma julgadora. A votação foi unânime.         Apelação nº 1001179-06.2014.8.26.0666                    imprensatj@tjsp.jus.br           Siga o TJSP nas redes sociais:         www.facebook.com/tjspoficial         www.twitter.com/tjspoficial         www.youtube.com/tjspoficial         www.flickr.com/tjsp_oficial         www.instagram.com/tjspoficial
28/01/2020 (00:00)
Visitas no site:  6040164
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia