Sexta-feira
03 de Julho de 2020 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
23ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Rio de Janeiro, R...

Máx
24ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Rio de Janeiro, R...

Máx
26ºC
Min
15ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
29ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Controle de Processos

Falta de documentos e contratos prejudicam a fiscalização da CPI da Saúde no Hospital Nilton Lins

Durante a inspeção física dos membros titulares da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, hoje (29), ao Hospital de Campanha da Nilton Lins, unidade de atendimento referência no tratamento de pacientes com Covid-19 no Estado do Amazonas, os deputados não tiveram acesso aos documentos, contratos, relatórios, nem mesmo ao fluxograma de funcionamento do local. A comissão que recebeu os parlamentares alegou que todas as informações ainda não foram repassas pela Secretária de Estado da Saúde (Susam). Os deputados estaduais Delegado Péricles (PSL), presidente da CPI, Fausto Junior (PRTB), relator, Wilker Barreto (Podemos) e Doutor Gomes, membros, foram recebidos pelo diretor do hospital, Fabrício Alva de Souza; e o ex-titular, Thales Schincariol, dentre outros. Durante a diligência, os questionamentos dos parlamentares foram concentrados em questões financeiro-administrativas, tendo a necessidade de análise de contratos firmados com empresas que prestam serviço para a unidade, como lavanderia, conservação, apoio administrativo, limpeza, técnicos de enfermagem, serviços médicos, entre outros. “Não tem nenhum documento, não tem nenhum relatório, nenhum contrato físico? Quanto custa para o governo esta unidade? Esta inspeção está prejudicada”, afirmou Barreto. Na segunda reunião da CPI, na última quarta-feira (27), 17 requerimentos foram aprovados, solicitando informações a poderes, instituições e pessoas, para embasar os trabalhos da Comissão. Entre eles para a Susam. Desorganização   Para o presidente da CPI, Delegado Péricles, há uma desorganização administrativa no hospital de referência, que foi inaugurado no dia 18 de abril. “Somos uma Comissão Parlamentar de Inquérito e viemos para inspecionar esta unidade de saúde que foi avisada com antecedência. O mínimo que deveria ter, eram os contratos para que pudessem ser analisados”, enfatizou o presidente da CPI. “Cada centavo importa quando é para salvar vidas. Nossa preocupação é com a falta de transparência”, complementou o deputado Fausto Junior.   Novo prazo   Como sugestão apresentada pelo deputado Doutor Gomes, ao presidente e relator da CPI, que a unidade tivesse um prazo para a apresentação desses documentos, que foi concedido até a próxima-segunda feira, 31 “Há necessidade de empenho máximo nosso. Estou cobrando esses documentos para que eu apresente para o cidadão Amazonense e não só para a unidade”, disse o ex-diretor do hospital.     Diretoria de Comunicação da Aleam Texto: Raquel Albuquerque  
29/05/2020 (00:00)
Visitas no site:  7520081
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia