Quinta-feira
24 de Setembro de 2020 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
26ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Rio de Janeir...

Máx
29ºC
Min
19ºC
Nublado com Possibil

Sábado - Rio de Janeiro, R...

Máx
31ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Domingo - Rio de Janeiro, R...

Máx
32ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Controle de Processos

Gustavo Sebba propõe criação de programa de ginástica laboral nas escolas da rede pública

A saúde, o bem-estar e a qualidade de vida têm sido discutidos com grande vigor por especialistas, que apontam a ginástica laboral como uma poderosa ferramenta contra o estresse, especialmente no ambiente escolar. Para aliviar as tensões e pressões externas, melhorar aspectos físicos, psicológicos, emocionais, cognitivos e físicos, tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), desta Casa de Leis, o processo de n° 7614/19, que propõe a criação de um programa de ginástica laboral voltado para professores e servidores de escolas da rede pública. A propositura deve entrar na pauta de discussões da Comissão em fevereiro, quando acaba o recesso parlamentar. A proposta do deputado Gustavo Sebba (PSDB) sugere dois tipos de ginástica laboral: a preparatória, que é realizada antes do início das atividades ou nas primeiras horas do trabalho, composta por alongamentos, aumentando a circulação sanguínea, a viscosidade e lubrificação das articulações e tendões; e a compensatória, realizada no meio da jornada de trabalho, como uma pausa, e é praticada para diminuir a fadiga e prevenir doenças ocupacionais crônicas. De acordo com a proposta, a ginástica deverá ser executada por todos os servidores da educação que exerçam atividades que exijam esforços físicos repetitivos, na qual os exercícios de alongamento, específicos para cada tipo de atividade, deverão ser executados por um período mínimo de dez minutos, a cada quatro horas de trabalho, sendo as pausas contadas como tempo efetivo trabalhado, vedada a prorrogação não remunerada da jornada de trabalho sob esse pretexto. As sessões da atividade deverão ser oferecidas no local de trabalho e orientadas por profissional habilitado, podendo ser um profissional de educação física já lotado naquela unidade. Os benefícios da adoção desse exercício dentro do ambiente de trabalho, segundo o deputado, sejam em atividades de escritório, industriais ou sala de aula, são evidentes como, por exemplo: prevenção de doenças laborais, redução do sedentarismo, melhora o condicionamento físico, redução a fadiga, combate tensões, melhora a autoestima, aumento da produtividade, diminuição dos afastamentos, melhoria na interação entre os servidores.
28/01/2020 (00:00)
Visitas no site:  8504966
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia