Segunda-feira
24 de Fevereiro de 2020 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
30ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
33ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
34ºC
Min
25ºC
Chuva

Quinta-feira - Rio de Janei...

Máx
29ºC
Min
23ºC
Chuva

Controle de Processos

O poder da escrita e dos sentimentos no sistema penal

O poder da escrita e dos sentimentos no sistema penal Sandro Marques Melanski, condenado a 74 anos de prisão, escreveu obra publicada no Brasil e em Portugal Sex, 24 Jan 2020 17:04:37 -0300 Na quinta-feira (23/1), Sandro Marques Melanski, autor do livro “A teoria do sentimento: força que constrói e destrói”, obra que relata sua vivência no cárcere, teve a oportunidade de mostrar seu trabalho de poesia ao Presidente do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR). Os versos produzidos por Sandro foram publicados no livro “Além da terra além do céu – Antologia de poesia brasileira contemporânea – Volume IV” – o poema nasceu de sua experiência como pai de uma adolescente com depressão. Condenado a 74 anos de prisão por vários crimes, Sandro, atualmente, cumpre a pena no regime aberto, mas começou a escrever enquanto estava preso na Penitenciária Central do Estado (PCE), em Piraquara. “Cheguei revoltado ao sistema penal e me fiz perguntas: o que eu estou fazendo aqui? Eu não nasci ruim. O que aconteceu comigo? O que aconteceu com a minha personalidade?”, explica.  “A teoria do sentimento”, seu primeiro livro, é fruto desses questionamentos e se baseia nas vivências do próprio autor. O rascunho da publicação levou sete anos para ser escrito à mão. Porém, em uma rebelião ocorrida em 2010, na PCE, o manuscrito todo se queimou. Sandro conseguiu reescrever o conteúdo na Colônia Penal Agrícola (CPA), durante o período em que cumpriu a pena no regime semiaberto. “Para alcançar um objetivo é preciso seguir certas regras: a minha regra era escrever uma folha todos os dias”, conta ele, que se orgulha de ter a obra publicada no Brasil e em Portugal.  Segundo o autor, a publicação aborda o poder de sentimentos que, muitas vezes, motivam atos violentos. “Na prisão, convivi com os piores sentimentos: angústia, depressão, ódio, desespero; mas também com saudade e amor. O livro fala de mim, do que senti ao cometer crimes. Da força dos sentimentos e das palavras – a palavra é a semente e o coração é a terra”, diz Sandro. Oportunidades aproveitadas Enquanto estava na Colônia Penal, Sandro buscou a 1ª Vara de Execuções Penais (VEP) do TJPR e solicitou autorizações para saídas temporárias – na época, ele buscava meios para publicar a “A teoria do sentimento”. O autor menciona com gratidão as permissões concedidas pelo Magistrado Eduardo Lino Bueno Fagundes Junior, da 1ª VEP, que, no momento, atua como Juiz Auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça.  “Ele me deu chances: quando eu estava na Colônia, precisava sair para buscar editoras, registrar o livro e conseguia as portarias. Em cada oportunidade, eu aproveitava para fazer coisas boas. Então, eu saía e, na volta, mostrava que tinha registrado o livro, conseguido o contrato. Essas chances foram cruciais”, conta Sandro. Hoje, com mais de 24 anos da pena cumprida, ele atua como empresário de manutenção predial e tem o objetivo de pidir suas experiências não apenas por meio da escrita, mas também por meio de palestras que estimulem a criação de ambientes harmoniosos. Além disso, Sandro pretende criar um projeto de incentivo à escrita dentro do sistema penal para que os presos contem suas histórias: “Eu pensava que não sabia fazer mais nada, além de fazer o mal. Quando comecei a escrever, me motivei e quis escrever mais. As pessoas precisam descobrir que podem evoluir”. Além de autor de “A teoria do sentimento”, Sandro é coautor de três livros de poesias.
24/01/2020 (00:00)
Visitas no site:  6046388
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia