Domingo
08 de Dezembro de 2019 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
28ºC
Min
22ºC
Pancadas de Chuva a

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
30ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Controle de Processos

Projeto de lei busca proibir captura de imagens de pessoas acidentadas

Foi lido em Plenário, no dia 12 de novembro, o projeto de lei de n° 6848/19, de autoria do deputado Paulo Trabalho (PSL), que proíbe, no âmbito do Estado de Goiás, o ato de fotografar, filmar, publicizar em rede social ou praticar qualquer outro meio capaz de capturar ou pulgar imagens que exponham pessoas acidentadas, sem expresso consentimento ou autorização da vítima. A proposta será encaminhada para a análise de um parlamentar membro da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ), que será designado o relator da matéria. De acordo com Paulo Trabalho, em justificativa à sua iniciativa, a crescente prática de se postar tudo na internet, sem pudor, avaliação, critério ético ou de valor, aliada à velocidade das redes sociais, atropela o espaço para ponderações. “O desenvolvimento da tecnologia transformou as relações sociais, facilitou a comunicação à distância, promoveu o rápido acesso a inúmeras informações pela internet. Apesar desses benefícios, os conteúdos compartilhados na rede se tornaram vulneráveis devido à rapidez de propagação da informação”, explica. Ele acrescenta que, no âmbito das redes sociais, a lesão à imagem é potencializada pela forma como as informações são expostas, sobretudo pela conectividade de milhares de pessoas, e pontua que a pulgação de fotografia de vítimas não fatais constitui ofensa à imagem e à privacidade, passível de repercussão na esfera cível, se o ofendido promover ação indenizatória. “Por isso, diante dos inúmeros casos de violação desse direito nas redes sociais, percebe-se que a proteção legal conferida se mostra ineficaz, tornando-se necessária a criação de dispositivos legais específicos, para garantir sua efetiva proteção”, defende o deputado. O texto prevê que, caso se torne lei, o descumprimento à legislação sujeitará ao infrator a multa referente à meio salário mínimo. Caso a conduta seja praticada contra pessoa menor de 18 (dezoito) anos ou contra pessoa que apresente qualquer problema ou retardo mental, a multa será aplicada em dobro. Para se tornar lei, a matéria precisa receber o aval das Comissões da Casa, ser aprovada em dois turnos em Plenário e, posteriormente, receber a sanção do governador.
20/11/2019 (00:00)
Visitas no site:  5128459
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia