Domingo
27 de Setembro de 2020 - 

STANCHI & OLIVEIRA

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
Japão 1,86% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro, RJ

Máx
35ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Rio de Jane...

Máx
38ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Terça-feira - Rio de Janei...

Máx
30ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de Janei...

Máx
34ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Controle de Processos

TRF3 MANTÉM CONDENAÇÃO DE HOMEM QUE SE IDENTIFICAVA COMO SERVIDOR PÚBLICO PARA VENDER ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

A Décima Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) manteve a condenação, por estelionato, de um homem que se identificava como servidor federal e utilizava símbolos públicos para vender anúncios publicitários em revistas.  Para o colegiado, o conjunto de provas descrito nos autos, formado por documentos, relatórios, contratos bancários, laudo pericial e depoimentos testemunhais confirmaram a materialidade delitiva. Quanto à autoria, declarações de testemunhas foram unânimes em apontar o réu como agente do delito.   Os magistrados reconheceram a competência da Justiça Federal para o julgamento da ação, por estar presente o interesse da União, já que foram utilizados indevidamente selos e sinais oficiais.   “Isso atinge diretamente a fé pública e a confiança que a população deposita nos símbolos que representam a Administração”, explicou o desembargador federal José Lunardelli, relator do processo no TRF3.  De acordo com denúncia do Ministério Público Federal (MPF), no período de outubro de 2014 a março de 2017, o homem fez uso de sinais públicos e se identificou como servidor federal com o objetivo de vender anúncios publicitários em periódicos.   O réu alegava que as revistas eram vinculadas a entidades de classes de órgãos do Poder Executivo. Em abordagem a empresários, em persas situações, dizia de forma explícita ou implícita, que, se não colaborassem, poderiam ser vítimas de fiscalizações.  A sentença já havia condenado o réu por estelionato, ao considerar a falsificação de selo ou sinal público como crime meio (conduta usada para alcançar outro fim delituoso).   A Defensoria Pública da União (DPU) apelou ao TRF3 sustentando incompetência da Justiça Federal e insuficiência de provas.   No entanto, a Décima Primeira Turma manteve a condenação por estelionato majorado, por seis vezes na modalidade consumada e quatro vezes na tentada, e redimensionou a pena para três anos, seis meses e oito dias de reclusão, no regime semiaberto, além de 30 dias-multa.  Apelação Criminal 0012710-21.2017.4.03.6181/SP  Assessoria de Comunicação Social do TRF3  www.twitter.com/trf3_oficial www.instagram.com/trf3_oficial  
14/09/2020 (00:00)
Visitas no site:  8568428
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia